Osteoartrite do tornozelo

Entenda o que é osteoartrite de tornozelo

Com o intuito de eliminar as possíveis dúvidas que o termo osteoartrite do tornozelo pode gerar, são necessárias as definições do conceito de artrite e artrose. Artrite é a inflamação aguda das articulações, enquanto artrose é o termo que define uma doença crônica causada pela perda da cartilagem das articulações ou pelo desgaste dos ossos que fazem parte delas.

Se um indivíduo que sofre artrite não receber o tratamento adequado, com o passar dos anos a doença pode evoluir para artrose. A osteoartrite é a forma mais comum de artrite. Ela pode aparecer em qualquer articulação do corpo como, por exemplo, nas mãos, nos pés, nos quadris, nos joelhos, nos tornozelos, entre outros.

Osteoartrite do tornozelo

Também conhecida como artrite degenerativa, é causada pelo desgaste da cartilagem do tornozelo. A cartilagem é um tecido conjuntivo do corpo humano, de consistência flexível, que pode ser encontrada entre os ossos das articulações. É um elemento de ligação e, quando se desgasta ou se danifica, os ossos ficam em contato uns com os outros, causando atrito e consequentemente inflamação, vermelhidão, inchaço ou dor.

A osteoartrite geralmente é provocada pela deterioração ou irritação da cartilagem causada pelo uso ao longo do tempo ou por alguma lesão sofrida. No caso do tornozelo, pode ser uma fratura, um ligamento rompido ou uma entorse, mesmo que a doença só se desenvolva meses ou anos após o trauma ocorrido.

Leia mais: Artrose tem cura? Resumo da doença

Outro fator que pode desencadear a doença é alguma deformidade nos pés que comprometa a estrutura do tornozelo. Dois exemplos dessa má-formação são os pés planos, vulgarmente conhecidos como pés chatos, e os pés cavos, também chamados de arco alto.

Sintomas de osteoartrite do tornozelo

Os sintomas mais comuns da osteoartrite são dor nas articulações, inchaço no local, calor na área afetada, rangidos, limitação dos movimentos e rigidez nas articulações. Geralmente são ocasionados após períodos de inatividade como, por exemplo, ficar muito tempo parado em pé na mesma posição. Algumas pessoas podem desenvolver também esporão ósseo, ou seja, uma protuberância no local afetado.

A intensidade e a quantidade dos sintomas variam de pessoa para pessoa. Alguns indivíduos podem ficar debilitados enquanto outros podem passar anos sem ter qualquer tipo de manifestação no corpo.

Os fatores de risco para a osteoartrite são idade avançada, anomalias ósseas, obesidade, bem como áreas do corpo que já tenham sido lesionadas, entre outros. Indivíduos que fazem parte desses grupos e apresentarem sintomas devem fazer uma consulta médica.

Tratamento

Apesar de não existir cura para a osteoartrite do tornozelo, os tratamentos podem reduzir a dor, melhorar os movimentos e oferecer uma melhor qualidade de vida.

Leia mais: Artrite inflamatória pode causar dores nos pés

Primeiramente, o tratamento visa controlar e aliviar a dor por meio de analgésicos, anti-inflamatórios ou injeções, dependendo do grau de evolução da doença.

Se os medicamentos não surtirem efeito ou se o indivíduo já estiver em um estado crítico, ele provavelmente será submetido a uma cirurgia. Os procedimentos mais comuns são dois. O realinhamento dos ossos, que favorece o uso reduzido da área afetada, e a substituição da articulação por uma prótese, normalmente composta por materiais como o metal e o plástico.

Leia mais: O que é artrodese tripla?

Outras práticas que ajudam no tratamento, podendo ser utilizadas de forma simultânea com os medicamentos ou após cirurgia são a fisioterapia, a terapia ocupacional, a imobilização do local e o uso de aparelhos ortopédicos como palmilha e bota.

Sendo assim, é muito importante estar sempre cuidando da saúde e praticar exercícios físicos a partir da orientação e acompanhamento de um profissional.

Apesar de a osteoartrite do tornozelo não ter cura, o indivíduo pode ter uma vida estável e controlada. Entretanto, é necessário estar atento aos sintomas, consultar logo um ortopedista ou reumatologista – profissionais especializados responsáveis pela patologia – e fazer de forma ativa e constante o tratamento.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Paulo!

Comentários
Dr. Thiago Bittencourt

Posted by Dr. Thiago Bittencourt