pé chato

Saiba as diferenças entre o pé chato rígido e o flexível

Para entender corretamente o que pode estar acontecendo com os pés da criança, é essencial saber as diferenças entre dois tipos de pé chato existentes: o rígido e o flexível. Eles são muito distintos entre si e, em termos de tratamento, também precisam de planos diferenciados.

A seguir, vamos entender melhor as diferenças entre esses dois tipos de pé chato. Acompanhe e saiba mais!

Pé chato flexível

Durante os primeiros dez anos de vida da criança, o arco plantar se desenvolve a medida que os ligamentos, músculos e ossos do pé também se desenvolvem. No caso do pé chato flexível, o arco é visto quando o pé não está suportando nenhum peso, mas some quando a criança está andando ou em pé.

Os recém-nascidos tendem a ter pés chatos flexíveis, mas essa condição, geralmente, some até os dez anos de idade.

Por outro lado, há casos em que o pé chato flexível persistirá durante a adolescência e até na vida adulta da pessoa. Nos casos em que não há nenhum sintoma, a medida mais adotada é o acompanhamento da condição.

Porém, quando os sintomas estão presentes a criança pode sentir muitas dores, fazendo com haja limitações para a realização de determinadas atividades diárias, como alguns esportes.

Na presença de sintomas, o ortopedista deve ser consultado o quanto antes, para que os sinais possam ser avaliados corretamente e ele possa definir o melhor tipo de tratamento que garantirá melhorias e mais qualidade de vida para a criança.

Pé chato rígido

O pé chato rígido tem como principal causa o desenvolvimento anormal das estruturas dos pés. Essa condição pode ter origem em conexões estranhas entre os ossos e defeitos congênitos, a exemplo do tálus vertical.

Nessa última situação, o osso da articulação inferior do tornozelo (tálus) se posicionou de maneira incorreta em relação aos ossos do pé médio. É um defeito que vem de nascença e, na maior parte dos casos, tem uma associação direta com distúrbios neuromusculares, a exemplo da espinha bífida ou artrogripose.

Quando o problema não é tratado de forma adequada, a condição pode causar muitos incômodos para a criança. Afinal, pode provocar dor, manchas espessas na pele e dificuldades de realizar atividades normais para a idade e usar sapatos.

Em boa parte dos casos, a cirurgia é o recurso mais eficiente para corrigir tal problema.

Quando é o momento certo de procurar o ortopedista?

Por boa parte da infância, até cerca dos 10 anos de idade, os pés da criança ainda estão passando pela formação de suas estruturas. Isso significa que eles são diferentes dos pés dos adultos.

Entretanto, a recomendação de procurar pelo auxílio do médico ortopedista vai para as situações em que o paciente apresenta dor, fadiga ou ainda, quando evidentes preocupações com o desalinhamento.

Atualmente, a medicina conta com várias abordagens que podem melhorar a qualidade de vida e resolver os problemas dos pés nas crianças. O ponto chave, é sempre consultar o especialista antes de tomar qualquer medida.

Por fim, esperamos que esse artigo tenha ajudado a você a compreender melhor as diferenças dos tipos de pé chato. Lembre-se de nunca ficar com dúvidas sobre o assunto!

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ortopedista em São Paulo!

Comentários
Dr. Thiago Bittencourt

Posted by Dr. Thiago Bittencourt